Posts com Tag ‘Indie 2011’

The Turin Horse (2011 – HUN) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Nietzsche vive com sua filha num vilarejo rural em Turim, estamos em Janeiro de 1889. É Nietzsche e também não é, porque o personagem é colocado apenas como um senhor duro, rustico, que economiza nas palavras, e não move um dos braços. A filha o ajuda a trocar de roupa, o vento lá fora é incessante, poderoso, dias e dias de ventania devastando tudo. Béla Tarr segue seus personagens vagarosamente, acompanha a filha que cozinha duas batatas em cada refeição, o cuidado em tirar as botas e as calças do pai, ou em buscar água do poço.

Visualmente o filme vive dessas pequenas tarefas e do desconsolo que assola os dois, o cavalo que para de comer, o mundo que parece ser engolido pelo vento. Porém, essa seria uma visão superficial do que Tarr nos apresenta, seu cinema vigoroso e a força da imagem num preto e branco fabuloso, vão além, muito além. Sem sair do tom, é nítido o desespero, a desesperança, e uma capacidade enimgmática em buscar na repetição uma confirmação de comportamentos, de sensações. A cada vez que a porta da casa se abre, nossa sensação é de que aquele vento virá direto em nossa direção, poeira nos olhos, cabelos bagunçados. Planos longos, levíssimos travellings (em 90º), e a repetição de ações com mudança nos enquadramentos que esmiuçam comodos, pessoas, objetos. Um trabalho vigoroso, potente, um prazer contemplativo.

Bom Trabalho

Publicado: setembro 10, 2011 em Cinema, Festivais no Radar
Tags:,

Bom Trabalho (Beau Travail, 1999 – FRA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

O interessante aqui não é a presença dos soldados da Legião Estrangeira em Djibouti e sua relação com os locais. Estamos diante do olhar de um homem (o sargento Galoup) revisitando fatos recentemente ocorridos e que mudaram fundamentalmente sua vida. Claire Denis filma basicamente corpos na paisagem desértica, porém a questão sexualidade fica oprimida pela virilidade, é no viril que a cineasta desenvolve todo o contorno das imagens. E nessa virilidade que surge o ciúmes do sargento, ele estranhamente começa a perseguir um jovem recruta, surge uma relação tensa. E se Denis fecha a história com leveza, antes expõe as ilimitáveis questões do comportamento humano e as alternativas possíveis diante do fracasso.