Posts com Tag ‘Jon Favreau’

CHEFChef (2014 – EUA) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Jon Favreau vem com aquela pegada de feel good, aquele humor falsamente despretensioso. Usa também um assunto tão atual, os chef’s viraram celebridades, e o food truck vai se proliferando. Não se esquece de envolver o que há de mais atual no mundo da internet, o twitter, a proximidade do público com “celebridades”. Para completar, Favreau mostra como é bem relacionado em Hollywood, não faltam astros com participações importantes (Robert Downey Jr, Dustin Hoffman, Scarlett Johansson).

O drama é barato, pai workaholic e divorciado que não consegue dar atenção necessária ao filho. Crises profissionais, stress. Coloca tudo isso dentro de um trailer e se reinventa vendendo comida por ai. Porém, Favreau transmite simpatia, traz a cultura cubana (a colombiana Sofia Vergara interpreta a ex-esposa), o prazer em cozinhar, o tom de humor certo, e o resultado é essa coisa leve e divertida. De dar água na boca.

o-lobo-de-wall-street-cenaThe Wolf of Wall Street (2013 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Martin Scorsese já lançou muitas tendências, já esteve muitas vezes a frente do seu tempo. Ele foi um dos que ressuscitaram o cinema criativo americano (nos anos 70), transformou filmes em clássicos, marcou uma era. Um cara com o talento com o dele, vira e mexe se reinventa, é inexplicável, simplesmente é assim. Enquanto outros tentam se consagrar copiando suas fórmulas (e até mesmo os óculo, não é David O. Russel?), Scorsese vem com algo inusitado, diferente. Um filme debochado, exagerado, com atuações “over” e o humor regado a descaramento e sexo.

Adaptando a autobiografia de Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio), um corretor da bolsa de valores, que acertou na vida, e enriqueceu, enganando clientes e vivendo de tramoias, Martin Scorsese estraçalha com o sonho do americano médio de um mundo de oportunidades. Troca o glamour por uma obsessão doentio por tudo que é proibido e mal interpretado pela sociedade. Nosso protagonista simpático é um bandido do colarinho branco, viciado em drogas, e principalmente em sexo. Leva a vida num grande deboche porque ganha milhões e pode transar com mulheres sob milhares de dólares.

Um show de DiCaprio, cuja interpretação parece a congruência daquela de o Aviador com o Tom Cruise de Magnólia, recheado desse saboroso descaramento sem limites. A perfeita unificação de jovialidade com a teimosia de quem é o dono do mundo, intocável e inalcançável, a a arrogância com a naturalidade dos milhões de dólares.

o-lobo-de-wall-street-cenaAs longas três horas de duração prejudicam o filme, a última sofre de uma edição mais enxuta, de um polimento que os personagens extrapolados não permitiram. A narração em off, que funciona tão bem para o lado humorístico da trama, cai no banal quando entra em cena o FBI e todo o patriotismo americano (que de uma forma ou de outra está enraizada em casa todos os americanos, Scorsese inclusive). Como resultado final, o Lobo é pura injeção de adrenalina num cinema que patina entre os filmes grandiosos e os indies, sempre entre clichês comerciais focados em bilheteria e nunca no filme em si. Scorsese faz vibrar com cenas beirando o ridículo, mas que no contexto soam tão engraçadas.

homemdeferro3

Iron Man 3 (2013 – EUA) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

O fascinio, que virou febre, permanecerá intacto. Já se espera a próxima aventura com a presença de Tony Stark (Robert Downey Jr). Enquanto houver explosões e esse ego inflado e divertido, o público estará presente. Mais neurótico do que nunca, Stark recomeça com um flashback, mas antes ele se mostra realizado com seu relacionamento com Potts (Gwyneth Paltrow), e ainda mais obcecado por suas armarduras e tecnologias. Mas, acima de tudo um neurótico.

A presença de Shane Black (roteirista de filmes de ação como Máquina Mortífera), como diretor e roteirista, trouxe vilões bem mais interessantes (Ben Kingsley e Guy Pearce), e o terrorismo como mote central. Mas veio também uma versão MacGyver do Stark. As pretensões do personagem são trocadas pelas pretensões do próprio filme, tudo está cada vez mais faraônico, e quando procura algo mais “palpável” o transforma nesse clipe atualizado do velho seriado dos anos 80.

homemdeferro3_2É a sequência da farofa de Os Vingadores, aliás o filme não se cansa de citá-lo (até cansa), com os ingredientes básicos para manter a franquia viva, em alta, causando furor com as filas nas salas de cinema. Por mais que abuse de soluções fáceis, os minutos finais são ainda mais contundentes nisso, o fascínio causado por Tony Stark camufla os problemas.

homemdeferro2

Iron Man 2 (2010 – EUA) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Bastaram dois filmes para que o Homem de Ferro se tornasse um fenômeno, colocado no primeiro plano dos super-heróis, tomando o posto do Superman. Mas o diretor Jon Favreau (que faz ponta divertida nos filmes) não é o grande responsável, foi Robert Downey Jr quem criou o mito. Tony Stark é Downey Jr, excêntrico, carismático, debochado. Os grandes momentos são quando Stark assume sua vida, sem armadura, sem heroísmos.

Quando surge o Homem de Ferro não passa de mais um jogo de bons efeitos especiais e vilões caricatos (dessa vez Mickey Rourke), felizmente sempre há Stark com suas piadas e provocações, o filme está impregnado desse humor de Downey Jr, não importando quais loiras estão ao seu lado (Gwyneth Paltrow ou Scarlett Johansson).