Posts com Tag ‘Jonathan Dayton e Valerie Faris’

Detroit (2017 – EUA) 

Battle of Sexes (2017 – EUA) 

Dois temas tão latentes em filmes que chegaram ao grande circuito brasileiro com apenas uma semana de diferença. O feminino e a questão racial estão em destaque, mais que necessários no mundo atual, infelizmente necessários na verdade. Compará-los não faria muito sentido, afinal, além da força temática, e da fotografia granulada para trazer essa sensação de décadas passadas e utilizar imagens de tv, mas como propostas de cinema, vale alguma reflexão. É curioso que ambos estejam em cartaz porque nem sempre temos questões fortes discutidas assim, e com essa disponibilidade em quase todos os cinemas do país. De um lado, Kathryn Bigelow resgata os confrontos étnicos na Detroit dos anos 60. De outro, a dupla Valerie Faris e Jonathan Dayton recordam o marcante jogo amistoso de tênis, a tal Batalha dos Sexos, quase um debate político, entre a tenista número 1 do ranking à época (Billie Jean King) e o exibido e provocador já aposentado (Bobby Riggs), ambos ultrapremiados e de personalidades características.

O cinema sempre vigorante de Bigelow encontra aqui muitos aspectos bem convencionais, como o início em animação numa quase aula de história, a decisão de criar proximidade com os personagens ao retratar aspectos pessoais de alguns deles (caso dos postulantes a cantores do The Dramatics), principalmente, o final em que se torna um drama de tribunal. É no miolo, aterrorizante, que a diretora demonstra sua habilidade, numa tensão de quase filme de terror. Em meio a rebeliões nas ruas, saques à lojas, confronto com a polícia e bairros em chamas, um grupo de jovens negros num hotel são torturados por policiais à procura de um suposto atirador. Abuso de poder, violência, a escrotidão humana posta sob a forma de racismo, intolerância e total falta de controle de situações limite. Bigelow filma com câmera na mão, e o clima de injustiça e revolta reflete além das telas.

Faris e Dayton vão ainda mais profundamente no convencional, em clima de comédia dramática, eles bem que tentam desenvolver seus personagens. São mais competentes com Steve Carel e a personalidade de porco chauvinista do tenista viciado em apostas. Enquanto que com Emma Stone, além da atriz pouco combinar com a figura mais bruta da personagem, o desenvolvimento do triângulo amoroso, a revolta das jogadoras com a associação de tênis que não é igualitária com homens e mulheres e todo o didatismo com que trata todos os clichês de seus personagens, resultam num filme irregular, que precisa pontuar tudo para se fazer entender. Se o fato histórico é tão midiático e emblemático, assim como quase todas as figuras masculinas tem comportamentos desprezíveis (e isso é um elogio, melhor o clichê do que suavizar comportamentos que sempre fora e são escrotos) no que tange a comparação homem x mulher, o filme trafega por mares de água morna ao preferir as fragilidades e inseguranças, e até o desenvolvimento incompleto de King. Ao final, não sabemos tanto dela intimamente, do que de Riggs, muito menos da dimensão de peitar a grande entidade de tênis e ainda assumir sua homossexualidade, em pleno anos 70. Rir, nem sempre é o melhor remédio, ainda mais quando ainda precisamos afirmar o feminismo, um conceito que deveria vir original-de-fábrica.

Ruby Sparks (2012 – EUA)

Passou meio em branco o segundo filme dirigido pelo casal, Jonathan Dayton e Valerie Faris, depois do sucesso estrondoso de Pequena Miss Sunshine. E não encontrar a melhor forma de conduzir a fase mais densa (e por isso menos fofa), além de se apegar demasiadamente à cartilha da comédia romântica (paixão, briga, reencontro), podem ser as razões para que o filme tenha passado despercebido.

Se bem que, ele não perde em nada para a maioria dos similares do gênero. Divertidinho, romântico, a namorada perfeita (Zoe Kazan que assina o roteiro) que surge da páginas do livro que Calvin (Paul Dano) está escrevendo, acaba numa síndrome de Efeito Borboleta onde percebemos que por mais que se idealize alguém, em algum momento as coisas podem sair fora daquilo que se considera “mundo perfeito”.