Posts com Tag ‘Julie Walters’

BrooklynBrooklyn (2015 – IRL/RU/CAN) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Uma das sensações do ultimo Festival de Sundance, e certamente com indicações ao próximo Oscar, está a adaptação do diretor John Crowley, com roteiro é assinado pelo escritor pop britântico Nick Hornby, do romance escrito por Colm Tóibín. Provavelmente eles não tenham visto Era uma Vez em Nova York porque a comparação inevitável é mortal ao novo filme.

O drama romântico açucarado pela trilha sonora conta a história de uma imigrante irlandesa nos EUA, a jovem Ellis (Saiorse Ronan), fazendo assim um breve retrato da integração entre comunidades de imigrantes europeus nos EUA. Enquanto Crowley tenta deixar cada plano tocante, aproveitando-se dos olhos claros de Ronan, em inúmeros planos fechados, o que temos é um drama de pouca movimentação. Sóbrio em sua narrativa, porém nada contundente para o cinema que tantas histórias parecidas já contou. O diretor se coloca como um mero contador de história, pontuando de maneiras bem simples os elementos cinematográficos que possam embalar o público mais fácil. Sua repercussão não juz ao filme, que tenta se apoiar sempre em sua atriz, por mais que seus dilemas sejam doloridos, mas nem tão espetaculares assim.

Billy Elliot

Publicado: fevereiro 14, 2015 em Cinema
Tags:, ,

Billy ElliotBilly Elliot (2000 – ING) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Voltar ao filme de estreia de Stephen Daldry, que rapidamente o colocou como um nome “oscarizável” em Hollywood, após tantos anos e de ter assistido ao musical, chega a ser cruel com o filme. A possibilidade de notar tantas fragilidades, desde o orçamento reduzido que encontra em soluções honestas (e pobrezinhas) alguns caminhos, até a total necessidade de concentrar, única e exclusivamente, o filme no garoto prodígio (Jamie Bell) destacando, assim, uma incapacidade de desenvolver os demais coadjuvantes.

Panos de fundo sem aprofundamento algum, principalmente a questão da greve dos mineiros, na década de 80, Daldry praticamente faz uma adaptação do mundo Disney na Inglaterra oitentista. O garoto sofre, confronta a família, mas é tudo amansado pelo conto de fadas. A relação com a professora (Julie Walters), o despertar da sexualidade, é tudo tão superficial quanto as sequencias pelo bairro de periferia de casas de tijolinho.

A história do garoto que treinava boxe, mas se encanta pelo ballet, enquanto pai e irmão durões lideram uma greve (no Governo Tatcher) que se estende por meses, é encantadora pela magia com que Jamie Bell sai dançando pelas ruas, por como Daldry conduz a história como numa transição de drama a musical, trazendo leveza e encantamento aos carregados sotaques britânicos.