Posts com Tag ‘Lena Olin’

The Unbearable Lightness of Being (1988 – EUA)  estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Há toda a questão libertária presente no texto de Milan Kundera. Os personagens, cada um a seu modo, buscando sua própria liberdade interior, enquanto isso, as movimentações políticas cessam com parte dessas liberdades. Tchecoslováquia, o ano de 1968 em Praga é dos mais inquietos, discute-se política nas esquinas. O médico Tomas (Daniel Day-Lewis, fala-se de um filme erótico, há mulheres nuas e insinuações da prática sexual, mas todo o erotismo do filme está presente no olhar de Day-Lewis, aqueles olhos exalam o erotismo) quer mais é divertir-se com o sexo, sem compromisso, apenas o desejo pelo desejo.

As duas mulheres que formarão o triângulo amoroso também vivem seu jeito de buscar liberdade. Sabina (Lena Olin), talvez seja a materialização da liberdade: sexual, profissional, um espírito livre. Já Tereza (Juliette Binoche) vive uma busca incessante, primeiro libertar-se de uma vidinha banal, e da própria mãe. Depois permitir-se a liberdade profissional, sem amarras, fotografar sua própria visão, sua arte.

A vida dos personagens não passa alheia às transformações políticas, os tanques de Guerra Soviéticos invadem Praga, as ruas tomadas por desespero, o diretor Philip Kaufman cria o clima sem exagerar na violência, sem forçar a barra, de maneira galante, quase como se fosse pelas lentes de Tereza, ele registra a tomada das ruas, a fuga da população para a Suíça. O porco que bebe cerveja, o amor que ultrapassa as fronteiras da fidelidade (e faz doer), a dança com um homem qualquer. Pequenos sinais de liberdade enquanto a história desses amores segue, altiva, vibrante. Liberdades oferecem escolhas, e estas, nem sempre te retribuem com a mesma liberdade, porém você sempre tem novas escolhas à sua frente, e para esses personagens, coragem nunca lhes faltou.

oultimoportalThe Ninth Gate (1999 – EUA) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

A trama é mais uma daquelas histórias de invocação do demônio, partindo do mundo de colecionadores de livros raros, a adoração por relíquias e preciosidades, desemboncando diretamente na magia negra e seitas religiosas demoníacas. O especialista em livros antigos, Dean Corso (Johnny Deep), recebe a proposta tentadora para encontrar o exemplar original do livro que teria sido escrito com ajuda de Lucifer, e que seria um portal para invocá-lo. O resultado final não chega ao satisfatório, o célebre diretor Roman Polanski esbarra em muitos clichês, e um mistério facilmente “sacável”, culminando na atmosfera morna e previsível.