Posts com Tag ‘Malgorzata Szumowska’

body

Cialo / Body (POL – 2015) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Está claro que o filme trata de diversos tipos de reações à perda. Da anorexia da adolescete que perdeu a mãe e se revolta com o pai, a própria reação pouco emotiva com sua viuvez. A eles se adiciona a terapeuta com o dom de se comunicar com os mortos, e que também tem seus traumas recentes. Partindo desse peso da perda, a diretora polonesa Malgorzata Szumowska brinca timidamente com essa relação espiritual com os mortos.

A brincadeira inócua esbarra nesse tom irônico, como o legista encontrar restos humanos e na cena seguinte tomar uma sopa com pedaços de carne. É por esse pretenso humor que Szumowska tenta trafegar os dilemas pessoais dessa trinca de personagens. Há sempre a forte presença corporal, nas sessões de terapia em grupo, ou no trabalho do legista, mas essa colcha de retalhos nunca se encontra como uma unidade única. De quem havia cometido o filme anterior Elles, podemos até considerar um avanço, que não vai além do simpático.

Elles

Publicado: agosto 4, 2012 em Cinema
Tags:,

Elles (2011 – FRA/POL) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Uma jornalista (Juliette Binoche) entrevistando duas jovens universitárias que mantém, às escondidas, sua vida de prostituição. Não há nada, além disso, a diretora Malgorzata Szumowska se esforça em dividir a trama entre a vida das duas entrevistadas, e da jornalista de classe média, que começa afastada e termina muito mais próxima das duas entrevistadas do que imaginava.

Falta de tudo, de inspiração na direção, e um roteiro minimamente interessante, até qualquer coisa que pudesse cativar e até explicar a existência desse filme. Simplesmente não existe, vive do nome de Binoche e não consegue nada além da presença da atriz. Um pouco da vida particular das garotas (uma tem namorado e emprego de fachada, a outra faz de tudo para esconder da mãe na Polonia), um pouco de desejos absurdos de clientes, é o tipo de filme que tentar trazer um ar feminista, apenas em sua boa vontade.