Posts com Tag ‘Marina Person’

O cinema nacional continua sobrevivendo de comédias muito populares, ou filmes para um público super restrito. Esses filmes menores ganham pequenos lançamentos, com pouquíssimas sessões, de forma que assisti-los se torna um esforço logístico. A exibição no Canal Brasil ou no Now tem sido mais interessante do que o circuito comercial deles. Entre esses dois tipos de filmes restam poucos lançamentos que estejam entre essas duas características, e normalmente eles são boa parte do que de melhor nos é apresentado. Segue abaixo meus 5 filmes nacionais lançados em 2015 nos cinemas brasileiros.

 

quehoraselavolta

  1. Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert
  2. Ausência, de Chico Teixeira
  3. Jia Zhang-ke, Um Homem de Fenyang, de Walter Salles
  4. Branco Sai, Preto Fica, de Adirley Queirós
  5. California, de Marina Person

 

Top 5 – 2014 – Cinema Nacional

Top 5 – 2013 – Cinema Nacional

californiaCalifórnia (2015) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

O segundo longa-metragem de Marina Person, novamente, ressalta a exposição de sua própria biografia. Após o documentário Person, sobre o falecido pai cineasta, Marina agora resgata suas memórias adolescentes resgatando a adolescência feminina nos anos 80. Seu filme é todo certinho, pontua a situação política à época, se preocupa em cenários que dialogam com a década, toca em temas tabu com simpatia sem ferir ninguém.

Estela (Clara Gallo) é a alter-ego da cineasta, e pela vida escolar-familiar-sexual-cultural da garota que se estabelece a identificação com estes anos 80. Altamente conectada com o tio (Caio Blat) que mora na Califórnia e vive o drama da AIDS, a adolescente vive do sonho de uma viagem libertadora por solos americanos, enquanto vive de cartas e fitas que o tio se corresponde com o melhor do rock da época (Cure, REM, e muito David Bowie).

Marina dialoga sua feminilidade como se falasse com uma sobrinha, ou filha adolescente, e aproveitasse assim para ilustrar aquelas conversas espinhudas que, invariavelmente, acontecem, até que com algum tom apimentado. Os romances e os consolos, a proximidade com álcool e drogas, a dificuldade de relacionamento com os pais. Enquanto a diretora dá cabo de tudo isso, transforma suas lembranças numa versão extendida, e simpática, de Malhação, embalada por trilha sonora que nos empolga facilmente.