Posts com Tag ‘Milhem Cortaz’

sangueazulSangue Azul (2014) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

A trupe de circo chega a Fernando de Noronha, oportunidade de Zolah (Daniel de Oliveira), o homem-bala, reencontrar sua mãe (Sandra Corveloni) e irmã (Carolina Abras). A beleza da ilha paradisíaca, e dois irmãos que resumem suas vidas em dois elementos da natureza (água e ar). Ela vive como mergulhadora que guia turistas, já ele pula de galho em galho, livre, desenvolto.

É outro típico filme de Lírio Ferreira, musical, suado, maconhado. Praticamente fede a sexo (o fede não quer ter um tom pejorativo). A dança, a praia, o suor, o sexo na areia ou em qualquer canto. Pouco-a-pouco, entre um ou outro plano da beleza imensurável de Noronha, o roteiroi sugere a relação carnal entre os irmãos. Utiliza o parentesco, mas julga a relação como de amigos de infância com desejos mal resolvidos. A trama segue a trupe, e o pequeno clã de moradores que os rodeia, mas o filme é mesmo sobre a libertação desse instinto incestuoso. O problema são as metáforas, as facilidades da trama em unir pontos, enquanto tenta poetizar outros personagens, seu resultado é menos onírico, e mais prático do que pensa.

alemaoAlemão (2014) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Os pontos mais fracos do filme são exatamente os focos da campanha publicitária que tenta levar o público ao cinema. Com a trama ocorrendo nas 48 horas anteriores à ocupação do Complexo do Alemão, o filme parece tratar do tema pré UPPs, mas além de algumas imagens de arquivo do exército invadindo o Alemão, o filme apenas se aproveita do momento histórico. De fato nem precisaria desse pano de fundo.

Cinco policiais infiltrados na favela, descobertos pelo tráfico, trancados numa pizzaria enquanto os capangas de Playboy (Cauã Reymond) partem à caça dos “traidores”. Quase o filme todo ocorre nos fundos da pizzaria, tenso do início ao filme, os policiais não sabem se podem confiar uns nos outros, não podem colocar a cara na rua, completamente ilhados e incomunicáveis.

José Eduardo Belmonte cria o clima claustrofóbico, sua câmera apressada deixa no cubículo cada vez mais tenso, ofegante. Caio Blat, Gabriel Braga Nunes (alguém nos olhos claros infiltrados na favela?), Milher Cortaz, Otávio Muller e o grande destaque Marcello Melo Jr trancafiados enquanto esperam a invasão ou qualquer tipo de salvação inesperada.

Se todas as cenas da pizzaria funcionam muito bem, o que ocorre fora demonstra as imperfeições do roteiro. Cauã Reymond no extremo do subaproveitado, como o grande chefe do tráfico no Alemão, além do delegado Antonio Fagundes cujas cenas também não agregam muito. Como fita de suspense, tensa, no melhor estilo 12 Homens e Uma Sentença, tudo funciona bem, o problema está em querer resgatar temas políticos, em trazer falas como “nós (policiais) estamos aqui por vocês), o peso da necessidade de ser algo mais que um entretenimento eficiente..

OLoboatrasdaPortaO Lobo Atrás da Porta (2013) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Uma criança sequestrada numa escola de periferia do Rio de Janeiro. Na delegacia, pais e suspeita prestando depoimentos contraditórios, nas ruas a polícia investiga pistas e envolvidos. Em sua estreia na direção, Fernando Coimbra apresenta um filme tenso, cheio de flashbacks, idas e vindas, e diversos pontos de vista para um mesmo fato. Não se trata de uma estrutura narrativa nova, mas, quando bem empregada, funciona positivamente, como é o caso.

Os depoimentos servem como start cada um dos flashbacks, trazem à tona casos extra-conjugais, a relação marido-mulher, e o grau de obsessão de uma paixão. O triângulo é formado por Leandra Leal, Milhem Cortaz e Fabiula Nascimento, e até que a polícia (Juliano Cazarré em aparições incríveis) desvende o misterioso sequestro, mergulhamos num típico caso de infidelidade, levado ao extremo. Em algum momento, Coimbra perde a mão do suspense, exatamente quando deveria ocorrer o clímax, a montagem do quebra-cabeças cria uma transição do suspense para mais um drama sobre conflitos extra-conjugais. O que parecia mistério se dissipa numa conclusão que mais parece caso psiquiátrico.