Posts com Tag ‘Patrick Wilson’

Sobrenatural 2

Publicado: novembro 27, 2013 em Cinema
Tags:, ,

sobrenaturalcapitulo2Insidious: Chapter 2 (2013 – EUA) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

O público tem aguardado pelo próximo filme de terror de James Wan, isso é um privilégio. Definitivamente, ele sabe dirigir cenas de terror, criar a atmosfera angustiante e alguns sustos em sua plateia. Mas, e principalmente nos dois filmes de Sobrenatural que em Invocação do Mal, a escolha por caminhos fáceis do roteiro, cuja explicação ou cronologia precisam ser “desculpadas”, se torna uma prática comum.

O que parecia uma grande sacada, quando o filme não só serve de continuação da história do anterior, tendo uma integração entre passado e futuro (tenta explicar cenas do anterior), precisa de um desses momentos de afrouxar a lógica, se não seria inaceitável.

Wan trabalha bem com o universo do gênero, ele não é um criador, está mais para multiplicador, repetidor. Aquela coisa de pegar o que foi inventado e fazer melhor, ou menor, ou mais barato. Patrick Wilson vai de mocinho a vilão, até voltar a ser mocinho. Até lá, ele inferniza sua família, principalmente a esposa (Rose Byrne), se bem que o filme resgata seu passado e um dom para contatos com o além. O final já deixa a abertura para o terceiro capítulo, com cara de renovação, mas a sensação que fica é que a dupla cômica (de longe o pior do filme) volta com tudo.

IMG_6285.dngThe Conjuring (2013 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

James Wan é o novo queridinho do público para filmes de terror. Nascido na Malásia, estudou cinema na Austrália e lá começou sua carreira, até chegar aos EUA e filmar o primeiro Jogos Mortais. Mas, foi com Sobrenatural que seu nome voltou a se fortalecer. E a sacada de James Wan é de não ir além do fácil. Cinema de horror é atmosfera, o quanto mais se consegue prender o público, causar alguns sustos, maior seu grau de sucesso.

Tendo Patrick Wilson como seu ator-fetiche, James Wan vai de casas mal-assombradas por fantasmas e exorcismos, porões e armários sinistros, sempre conseguindo grudar os olhos de seu público frente aos acontecimentos sobrenaturais e aparições de fantasmas. Neste filme, é a casa nova de Carolyn (Lili Taylor) e Roger (Ron Livingston) que se manifesta após se mudarem com suas filhas. O casal Ed (Wilson e Lorraine (Vera Farmiga)) são os “caça-fantasmas” de prontidão. De resto, basta mergulhar na atmosfera tensa e deixar o coração palpitar um pouco, pelos clichês James Wan sabe o que está fazendo.

The Ledge (2011 – EUA)

Sabe aqueles filmes em que voce se divide, quer gostar e não consegue. Não quer gostar e acaba gostando. Cria um dilema. Não há nada de especial, pelo contrário a direção de Matthew Chapman é como manda o figurino, takes médios, sem nenhuma marca autoral, o filme é totalmente focado em contar uma história, um triangulo amoroso. E ainda incorporar fortemente o tema religioso, um pragmático-racional (Charlie Hunnam) e um católico fervoroso (Patrick Wilson) colocam suas opiniões, nunca chegam ao convencimento, e ainda acabam disputando o coração de uma mesma mulher (Liv Tyler). Incorpore ainda homossexualismo e fé, passados trágicos, tudo para carregar nas cores dramáticas (desnecessário, o mote religioso e o triangulo amoroso sustentam bem a história).

Acho que esse é o dilema, seria um filme banal porém eficiente, os adjetivos que a trama desenvolve além trazem carga, porém pouca relevância efetiva. Acaba pesando contra, e ainda há a vida particular do policial (sim, temos um policial (Terrence Howard) com sérios problemas domésticos tentando evitar um suicídio, e os problemas dele atravancam o flashback que explica as razões do suicida estar à beira de pular daquele prédio). Parece confuso, na verdade não é, o resultado é como uma garota que abusou um pouquinho na maquiagem, mas não chega a parecer um pavão. A verdade é que o triangulo amoroso te envolve, sem cenas inesquecíveis de romantismo, porém ele está lá, e isso até consegue fazer a diferença.