Posts com Tag ‘Paz Vega’

graceofmonaco-xlargeGrace of Monaco (2014 – FRA) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Grace Kelly (Nicole Kidman) dividida entre o próximo filme de Hithcock, Marnie, e a repercussão da opinião pública de uma princesa de Monaco atuando em Hollywood. Eis o dilema em que o diretor de filmes tão insosos, Olivier Dahan, se meteu para contar parte da biografia de Grace Kelly.

Há ainda a questão política, o príncipe Rainer III (Tim Roth) numa feroz guerra comercial com a França, riscos de retaliação militar, momentos tensos. Dahan transforma Grace Kelly num instrumento de “genialidade” da política internacional. Da futilidade da vida de princesa, e do casamento desgastado, em uma líder exemplar.

É triste como o filme não consegue sair das armadilhas que o tema lhe impõe. Mistura o conto de fadas da vida da princesa, com seus dramas pessoais, de forma a nascer um grande livro de autoajuda de como se reerguer das trevas e domar seus problemas. Nicole Kidman não consegue deixar de ser Nicole Kidman, Rainer acaba renegado ao papel de marido da princesa, o filme gira em torno de sua áurea, mesmo nas questões militares. Dahan e outro desserviço ao cinema mundial.

 

Anúncios

naoparenapistaNão Pare na Pista: A Melhor História de Paulo Coelho (2014) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Uma cinebiografia sobre Paulo Coelho, feita para Paulo Coelho. Dos personagens atuais, o escritor brasileiro (dos autores vivos é oque foi mais traduzido que Shakespeare) é uma das personalidades com maior potencial para atrair atenção, dada a quantidade de fãs ao redor do mundo. A oportunidade de um filme interessante, cobrindo as fases e mutações do maluco, se desperdiça pela presença maciça do Paulo Coelho de hoje, um espectro de autoajuda do radicalista de outrora.

A história foca em duas fases, a do filho rebelde (Ravel Andrade) x pai opressor, e nos dis atuais (Júlio Andrade) e as angustias de um homem de sucesso, em busca, novamente de seu caminho. O filme dirigido por Daniel Augusto tenta dar cabo de todos os universos e mulheres da vida de Paulo Coelho, passam como um meteoro as relações com o místico, sociedades secretas, a fase maluco beleza com drogas, e até a parceria com Raul Seixas (Lucci Ferreira), que de longe é o que mais interessante se apresenta.

Sobra muito do que Paulo Coelho quer apresentar, um velhote aventureiro, um adolescente feio e rejeitado sonhando em ser escritor. E, as barreiras impostos para perseguir seu sonho. Talvez o filme dialogue mais com seu momento atual na carreira de escritor, seus livros que encontram numa autoajuda silenciosa o preenchimento do ego de alguém que se reinventou todas vezes, até alcançar o status desse escritor que atingiu as massas.

O resultado é um esqueleto desajeitado e vazio, se sua viagem como peregrino ao Caminho de Santiago deixou-lhe marcas que carregará consigo, seu filme é incapaz de demonstrar qualquer traço das influências que o fizeram escrever os livros que escreveu, ou as canções que compôs. O filme é quase um joguete na mão de alguém que pretende vender o hoje, quando o interessante foi o ontem e o anteontem.