Posts com Tag ‘Richard Gere’

The Dinner (2017 – EUA) 

Era para ser algo nos moldes de Deus da Carnificina (deliciosa comédia de Roman Polanski), mas nas mãos de Oren Moverman, o jantar de dois irmãos e suas esposas, para discutir o que fazer após um grave incidente envolvendo seus filhos adolescentes, se torna uma colagem dos ressentimentos dos quatro personagens. É impressionante como o resultado final é desengonçado, desde a atenção dada a seus protagonistas (Steve Coogan domina quase tudo, com um personagem tão egocêntrico tanto quanto se faz de vítima). Enquanto sua esposa, mãe-protetora (Laura Linney), e o outro casal formado pelo politico dominador (Richard Gere), e sua esposa jovem e amorosa (Rebecca Hall) se tornam meros coadjuvantes dessa miscelânea de interrupções e passados resgatados.

Do caos, o filme perde o melhor, que seria desenvolver bem esses personagens, com a acidez que pudesse permitir a muitos se verem dentro da história. Mas não, não há espaço para nada além dessa artimanha de transformar o assunto familiar em jantar caótico, enquanto tentamos compreender um pouco dessa dificuldade de comunicação através dos olhos parciais de Coogan.

Anúncios

A Árvore da Vida é o tão aguardado novo filme de Terrence Malick, os festivais disputam a tapa seu filme, já fora prometido para Cannes em 2010, parece que dessa vez entra na seleção oficial. Sean Penn e Brad Pitt estão no elenco.

Days of Heaven (1978 – EUA) 

Você fica olhando aqueles campos de trigo, eles quase hipnotizam. A relação de Terrence Malick com a natureza, tão presente em seus filmes. A força que ela surge como personagem, como uma voz ativa dentro de sua obra. E a trilha de Ennio Morricone, e a fotografia de Nestor Almendros, captando tudo, em raios de luz do sol, que quase atingem nossos olhos, parece que podem nos cegar. Realmente o cinema contemplativo tem tudo para atrair fãs incondicionais.

Aqui, a história resgata um triângulo amoroso, uma discussão moral, um casal de trabalhadores braçais fingindo serem irmãos até caírem na tentação da paixão do fazendeiro. Sob a ótica de uma adolescente, a história transcorre trágica, suntuosa. Faltam sorrisos, e sobra a beleza da natureza presente a cada fotograma, num filme que encanta muito mais os olhos que a mente. Mesmo o embate entre Richard Gere e Sam Shepard fica no contemplativo, fugindo do melodramático, assim como do crucial.

infidelidadeUnfaithful (2002 – EUA) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

O casamento perfeito, tão perfeito que se torna monótono, vida mecânica em família. Num dia qualquer a esposa, Connie Sumner (Diane Lane), que estava fazendo compras em Manhattan, é subitamente derrubada por uma imensa ventania (cena ridícula) e choca-se com Paul Martel (Olivier Martinez), um francês vendedor de livros usados. Ela acaba seduzida por ele, e sem o menor esforço, tem início um tórrido caso de amor. Sexo no banheiro de um bar, ou no corredor do prédio do amante. Connie perde a cabeça, não é mais a mesma mãe e esposa.

O marido, Edward Sumner (Richard Gere), suspeita, e contrata um detetive. Na melhor cena do filme,  Edward vai até a casa de Paul e apresenta-se como o marido. Ele começa a fazer perguntas, e o rapaz ingenuamente as responde, até que o inevitável acontece. Qual poderia ser a reação de um marido traído, ao fazer perguntas íntimas ao amante de sua esposa?

Refilmagem do filme francês, A Mulher Infiel, é novamente o diretor Adrian Lyne se enveredando por thrillers de traição e teor sexual (como em Atração Fatal). Sensação de estar colocando mais água no feijão e requentando o gênero. Diane Lane muito bonita, mas a verdadeira representatividade do filme é o aparente marco, de uma nova fase, na carreira de Richard Gere que passa de galã a marido traído.