Posts com Tag ‘Sally Hawkins’

The Shape of Water (2017 – EUA) 

O novo conto de fadas de Guillermo del Toro é romântico, da voz aos marginalizados, é bastante ousado sexualmente, algumas horas divertido, em outras canastrão com seus vilões. A atmosfera de O Labirinto do Fauno é transferida para um laboratório militar dos EUA em plena Guerra Fria. Espiões soviéticos infiltrados e um estranho anfíbio capturado das águas do Amazonas são as obsessões militares da base.

Nasce a improvável história de amor entre o monstro e uma faxineira muda, del Toro toma todos os cuidados com o tom romântico: da graça e leveza de Sally Hawkins, quase em hipnose, à trilha sonora aconchegante e a beleza com que a fotografia escura e de tons pesados (muito verde musgo) oferece num contraste entre sentimentos e ambientes.

O romance está lá, assim como todo o vilanismo da cúpula militar (Michael Shannon) em caricatura, violência e cegueira. Personagens periféricos são pouco desenvolvidos para que o romance comova, ainda que sempre envolto nesse universo da beleza impossível e dos marginalizados buscando seu espaço para encontrar sua felicidade.


Festival: Veneza

Mostra: Competição Principal

Prêmio: Leão de Ouro – Melhor Filme

Anúncios

Blue Jasmine

Publicado: setembro 26, 2013 em Cinema
Tags:, ,

bluejasmineBlue Jasmine (2013 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Woody Allen faz San Fracisco parecer Nova York, se bem que sua cidade predileta é foco de boa parte da trama. A vida de Jasmine (Cate Blanchett) vem narrada em dois tempos, um deles, num passado recente, na sofisticada Manhattan. Enquanto, no tempo presente, ela busca refazer sua vida, na casa de sua irmã, na California. Blanchett impressiona na construção da personagem, do luxo e a sofisticação, aliados à futilidade, ao desprezo nas comparações com a vida suburbana real, uma adaptação inconcebível.

É um novo conto moral de Allen, no ritmo de sempre, aquela coisa de comédia dramática (dessa vez, menos preocupado em “vender” a cidade). O jazz que acompanha as confusões entre personagens, oferecendo aquela suavidade de uma proposta leve, porém ambiciosa. Alec Baldwin (novamente como um endinheirado mulherengo, repetindo suas atuações de 30 Rock) é o ex-marido, Sally Hawkins a irmã que a acolhe e acaba influenciada diretamente pela presença temporária de Jasmine.

Jasmine vive na gangorra entre o fundo do poço e o luxo, e esse vai-e-vém acontece em velocidade impressionante, típica de quem já esteve lá e sabe os caminhos. Aulas de informática e sonhos de faculdade para quem já viveu os luxos de Manhattan? Allen se tornou o cara dos bons roteiros, a crítica ama, mas não dá tanto valor ao resultado como um todo. E esse é outro desses filmes para assistir, depois ir jantar, e trocar meia duzia de palavras sobre o filme. O que vai ficar mesmo é a força da atuação de Cate Blanchett, o verdadeiro presente que Allen nos deixou.