Posts com Tag ‘Sergio Leone’

Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo (1966 – ITA/ESP)

Fica imaginando meu olhar hipnotizando ao rever o duelo final deste filme, como é possível filmar com tanta tranquilidade e desenvolver tanta tensão? Não sei, só Sergio Leone teria essa resposta. Três pistoleiros, cortes rápidas entre os rostos atentos e as mãos próximas das armas, esperando o momento certo, na ânsia de ser o mais rápido. Falemos também da trilha sonora de Ennio Morricone, que deve ser a trilha mais famosa da história do cinema, e repleta de sons e vozes, num misto perfeito de sensações com a paisagem árida e áspera por onde os três homens partem em busca de uma pequena fortuna enterrada num cemitério.

É o que se pode dizer de uma amizade de interesses, nenhum deles é flor que se cheire, os caminhos do destino os colocaram lado a lado numa dependência mutua e meta única (dinheiro). São planos e mais planos repletos de uma exibição estilística impecável de Leone, de tiroteios e a lentidão do velho-oeste, de paisagens secas e pores-do-sol inesquecíveis. Filme de pequenos prazeres, de olhares atentos, e de um humor requintado.

Per Qualche Dollaro in Più /For a Few Dollars More (1965 – ITA/ESP/ALE)

Dois caçadores de recompensas na caça dos bandidos “mais rentáveis do velho-oeste. De um lado a juventude e vivacidade do homem sem nome (Clint Eastwood), de outro a experiência e sagacidade do Coronel Mortimer (Lee Van Cleef). Entre eles uma relação de ajuda e rivalidade, concorrentes que se ajudam, traçam planos juntos (e quase sempre respeitam os planos). Ennio Morricone, direção de Sergio Leone, voce já sabe o que esperar de mais esse reencontro.

Se bem, que, dessa vez, os planos característicos de Leone (que estão lá), tornam-se coadjuvantes nessa rivalidade de caçadores. A ideia de estar sempre um passo à frente, de surpreender, traz um humor sutil e a graça da disputa entre Eastwood e van Cleef, enquanto eles se envolvem com o bando de El Índio (Gian Maria Volonté). E os planos fechados nos personagens, principalmente nos momentos de tensão? E a cena do fósforo sendo aceso na nunca de um bandido? Pequenos momentos deliciosos que oferecem prazer nesse fiapo de história.

Per un Pugno di Dollari / A Fistfull of Dollars (1964 – ITA/ESP/ALE)

Um pistoleiro chega numa cidade dividida e dominada por duas famílias e ve ali uma grande chance de conseguir um dinheiro fácil. O pistoleiro é Clint Eastwood, que além de ser rápido no gatilho possuía algo que os pistoleiros não tinham: cérebro. Numa rápida pesquisa pode-se descobrir que foi esse o filme que colocou os nomes de Clint e do cineasta Sérgio Leone no cinema mundial e que este é o primeiro filme da conhecida “Trilogia dos Dólares”.

Não serão necessários mais que meia dúzia de minutos para sacar exatamente o que vem a seguir, seu segredo está realmente no como contar e não no que contar. E os ingredientes do como contar trazem aquele misto de herói rude, de aspereza com humor, o árido e o interesseiro, e ainda assim guardando algo de bom no coração. E por trás, Leone apresentando características que marcariam sua pegada autoral.