Posts com Tag ‘Stephen Dorff’

TheIcemanThe Iceman (2012 – EUA) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

A história verídica de Richard Kuklinski (Michael Shannon), um assassino de aluguel trabalhando para máfia. O filme dirigido por Ariel Vromen, e com a presença de um elenco repleto de nomes de peso, nunca consegue sair do lugar-comum de filmes de mafiosos frios, que mantêm sua “profissão” às escondidas da família.

Vromen aposta na interpretação de Michael Shannon e na constante repetição de diferentes tipos de morte. A impossibilidade de sair da inércia na direção condena o filme a uma charmosa reconstituição das décadas entre 60 e 80, e a frieza que tornou Kuklinski notório, um assassino de centenas de encomendas.

Anúncios

Somewhere (2010 – EUA) 

Os filmes de Sofia Coppola resumem-se em diversas formas de se versar sobre a solidão. E, durante essas variações, quase poéticas, a presença determinante é da melancolia. As histórias desenvolvem-se sempre sob variações deste tema, tendo o poder de conectar o público mais, com este, ou aquele personagem, mas sempre leves mutações de melancolia (nitidamente, e algumas declaradamente, autobiográficas). Aqui temos um astro de Hollywood (Stephen Dorff). Em sua cama, lindas mulheres, jogam-se, literalmente. Sua vida acontece dentro de um quarto de hotel, quando não está gravando – o que pode parecer uma vida de sonho para muitos, a quem a vive transforma-se em monotonia. A vida pode ser triste mesmo quando se tem tudo.

Nos momentos com sua graciosa filha de onze anos (Elle Fanning, o melhor do filme) é quando o ator se dá conta de sua existência sem empolgação. O tom minimalista, e altamente existencialista, pode exagerar nos cacoetes, em demonstrar a monotonia óbvia (a cena inicial do carro, as longas cenas das garotas dançando), mas (e já escrevi isso antes) Sofia filma a solidão como ninguém (e nesse filme a trilha do Phoenix cai como uma luva), e essa solidão não é estar sozinho, e sim o se sentir sozinho, e nesse ponto o filme dá dimensão certeira do estágio emocional em que se encontra nosso galã.