Posts com Tag ‘Stephen Frears’

Philomena

Publicado: fevereiro 4, 2014 em Cinema
Tags:, , ,

PhilomenaPhilomena (2013 – RU) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Que preguiça do seu filme, hein Stephen Frears? Quase cinquenta anos após ser separada de seu filho, uma mulher, que viveu enclausura num convento (Judi Dench), resolve pedir ajuda para descobrir o paradeiro de seu primogênito. Steve Coogan (bem contido) interpreta o jornalista que a acompanha nesse road movie para senhoras carentes de histórias dramáticas.

Falo em preguiça porque o roteiro é formal e básico, tudo acontece de maneira abrupta e com um quê que só as mais carolas católicas poderiam compreender. É verdade que Frears foge do dramalhão, mas também não precisava ser tão raso e perder tempo em cenas como quando Philomena prefere assistir Vovózona a visitar Washington. Porém, o problema principal é o filme se tratar da busca de um filho, com contato com inúmeras pessoas que o conheceram, e sairmos da projeção sem conhecer nada sobre ele. Frears prefere a mãe ingênua a oferecer um pouco das descobertas que a própria viveu ao realizar essa aventura de um passado cuja ferida é irrecuperável.

Dangerous Liaisons (1988 – EUA) 

É um super jogo de sedução e conquista, inveja, interesse, e por que não vingança, em meio a nobre corte francesa do Século XVIII. Não há limites, apenas objetivos, e quanto maior o desafio, mais prazer ao vencedor. No centro temos um conquistador, Visconde de Valmont (John Malkovich), que prima por sua fama, sem pudor ou arrependimento, e vive como se seu coração jamais pudesse ser conquistado. E a invejosa Marquesa de Merteuil (Glenn Close) que não quer permite que o ex, case-se, com uma jovem virgem (Uma Thurman). É proposta uma troca, seduzir r a dozela primeiro, pela influências que façam o Visconde conquistar o coração de uma esposa fiel e devotada, Madame de Tourvel (Michelle Pfeiffer).

Que delicioso jogo de sedução dirigido por Stephen Frears, no auge de sua carreira e sua estreia em Holywood, sendo agraciado com 3 Oscars. Interpretações envolventes, jogo de palavras para conquista de corpo e alma, e novos personagens, e amores, que ajudam para bagunçar, ainda mais, essa rede de intrigas de época. Baseado no romance epistolar do francês, Pierre Choderlos de Laclos. O cinema como combustível para vaidade.

Os Imorais

Publicado: setembro 15, 2002 em Cinema
Tags:, , ,

osimoraisThe Grifters (1990 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Da época em que Stephen Frears ocupava posição de destaque no cinema comercial. O início é delicioso, os três personagens principais introduzidos, simultaneamente, dividindo-se a tela em partes iguais. Lilly Dillon (Anjelica Huston) trabalha, há muitos anos, para um mafioso, sua função é apostar em cavalos com o dinheiro sujo do chefe. Seu filho, Roy Dillon (John Cusack), dá pequenos golpes, com sua agilidade e perícia, conseguindo ganhar uma boa grana. Os dois não se vêem há anos, desde que Roy fugiu de casa para seguir sua vida. Entre eles há Myra (Annette Bening), uma malandra de carteirinha, namorada de Roy, e sem nenhum pudor em se vender em troca de algum favor.

Num de seus golpes, Roy é descoberto e agredido. Após um forte golpe no estômago, sente dores, mas não dá grande importância. Lilly decide, finalmente, reencontrar o filho e sai a sua procura. Encontra Roy em péssimo estado, e ao chegar ao hospital é diagnosticado com uma grave hemorragia interna. À primeira vista, Os Imorais pode ser interpretado como um filme basicamente sobre vigaristas e seus golpes, mas o roteiro audacioso vai muito além disso, retratando relacionamento tão complicados entre estes protagonistas. Myra planeja um grande golpe, e quer ajuda de Roy. Lilly quer se livrar da máfia, desviando parte do dinheiro apostado. John Cusack e Anjelica Huston estão muito bem, especialmente a última cena entre eles. Annette Bening irrepreensível, ela é quente, sexy, alegre e maquiavélica, e Frears soube explorar essa beleza do auge. Mesmo sabendo que Myra não vale nada ela, conquista qualquer um num show de charme e malícia.

altafidelidadeHigh Fidelity (2000 – RU/EUA) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Praticamente a bandeira de uma geração. Tamanha representação vem do livro de Nick Hornby, a qual o filme de Stephen Frears foi baseado. A mistura dessa cultura pop com a rotina jovem, onde tudo se resume a músicas, ou cinema e demais referências. E os relacionamentos se criam por base nessas referências, e quem não compactua com essas experiências, quem parece não estar antenado nesse universo, acaba tratado como um extraterrestre cultural. São personagens de fácil identificação com parte do público, um deleite aos consumidores de cultura pop (principalmente britânica).

A trama em si não passa de um triângulo amoroso, que ocasiona numa crise existencial do eterno adolescente Rob Gordon (John Cusack). Ele é dono de uma loja de discos, e mora com sua namorada, a advogada Laura (Iben Hjejle). Os estranhos Barry (Jack Black) e Dick (Todd Louiso) trabalham com Rob na loja, que é especializada em discos antigos e tem um pequeno público cativo. De cara a narrativa começa quando Laura decide terminar tudo com Rob, pois está interessada no antigo vizinho, do andar de cima, Ian (Tim Robbins).

Sempre falando com a câmera de maneira natural, tonando assim o público cúmplice dos seus dramas e esquisitices, um amigo a quem ele pode analisar seus erros, falar de seus desejos e manias. Rob decide nos contar sobre os cinco melhores casos de sua vida, e procurar o motivo por nenhum deles ter dado certo, ao mesmo tempo que tenta reconquistar Laura (uma das grandes sacadas são as listas de top 5 para qualquer coisa, feitas a todos os momentos).

Dessa forma, o filme consegue resumir perfeitamente essa geração, embalando com excelente (e muito presente) trilha sonora esses dramas amorosos em tom bem humorado. Se não escada da fórmula de comédia romântica, o filme cativa por seus personagens vibrantes e charmosos, como o divertidíssimo de Jack Black, e por essa capacidade de tornar o pop quase o combustível de vida dessa geração. Um clássico cult.