Posts com Tag ‘Trey Edward Shults’

It Comes at Night (2017 – EUA) 

Após a elogiada estreia em Krisha, o diretor Trey Edward Shults surge com um filme que vaga entre o terror e o thriller psicológico, com grau de elogios que já coloca seu nome em destaque. E, assim como seu longa anterior, esse aqui oferece elementos interessantes, mesmo que dentro de um contexto que já vimos antes.

Os personagens vivem um momento caótico, trancafiados numa casa na floresta, Paul (Joel Edgerton), sua esposa (Carment Ejogo) e o filho adolescente (Kelvin Harrison) sobrevivem entre a segurança de uma rotina restritiva e aterrorizado pelo desconhecido, enquanto uma estranha doença mortal ronda a região. A trama realmente se configura com a chegada de um estranho (Christopher Abbott) e se estabelece o clima de desconfiança que se torna a grande atmosfera conduzida por Shults.

Do medo do desconhecido, relativamente controlado fora de casa, adiciona-se agora o medo do estranho que agora está dentro de sua “fortaleza”, e nesse clima de desconfiança e parceria que tenta se reestabelecer as relações sociais entre parentes e hóspedes. Tensão sexual, questões raciais, panos de fundo que podem ser levantados, enquanto Shults mantém-se assustando o público com cenas entre a penumbra e a luminosidade tímida.

Krisha

Publicado: fevereiro 20, 2017 em Cinema
Tags:

krishaKrisha (2015 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Muito celebrado e premiado o primeiro trabalho de Trey Edward Shults, um daqueles filmes feitos com baixíssimo orçamento, elenco de familiares e amigos, e uma visão de novidade que muito cineasta experiente jamais conseguiu oferecer. Uma grande reunião familiar marca o reencontro da sexagenária Krisha, a narrativa lentamente explica as razões de ser um reencontro e toda a carga dramática que estava apenas enrustidas nos primeiros beijos e abraços iniciais. Usando uma montagem dinâmica, que dá cabo de duas ou três cenas, em tempos distintos, ao mesmo tempo, e uma câmera que trafega entre o íntimo e a visão geral dos ambientes, o jovem Shults (que também atua) dá em sua perspectiva de novas maneiras de interpretar velhos dramas. E, numa sequência em câmera lenta, guarda um dos grandes momentos do ano no cinema, num estalo que muda completamente o ritmo daquele encontro. Vejamos o que mais ele trará no futuro.